Acorda, Chapecoense!

E não abrevio pra "Chape" desta vez.  O apelido ficou desgastado, e o clube parece ter se acomodado nele. Tá na hora de dar devido respeito ao seu tamanho.

Desde aquela que foi a maior tragédia da história do futebol brasileiro, todas as vertentes possíveis direcionam-se contra o caminho trilhado pela Chapecoense. Mais de 20 contratações, elenco onde ninguém nunca havia trabalhado com ninguém, dificuldades econômicas, além do atípico clima mórbido. O que fazer? O mínimo: bravura e planejamento.

Esse segundo que já começa falho quando se contrata Vagner Mancini como treinador, tendo Levir Culpi se oferecendo a trabalhar gratuitamente pelo clube. 

E logo o Mancini. Pode ser implicância, mas não o vejo dando jeito sequer em um trabalho ruim, quem dirá numa terra devastada. É muito peso nas costas.

Vêm as primeiras competições: tudo um pouco na base do empurra. Mesmo com muita entrega, o time foi massacrado na final da Recopa e, mesmo levando o campeonato catarinense, não apresentou nenhuma evolução dentro de campo – e pelo visto isso se esparramou para fora das quatro linhas.

Mesmo com uma campanha fraquíssima até então na Libertadores, uma épica vitória sobre o campeão argentino fora de casa deixou a vaga e a consagração histórica de um clube devastado bem pertinho… não fosse o autor do gol. 

Luiz Otávio estava suspenso e não poderia entrar em campo. Vitória dada ao Lanús nos tribunais e o carimbo de adeus da Chape.

Porra, Chapecoense! Engolindo elefante e engasgando com mosquito? Campeã estadual, a ponto de arrancar uma vaga épica às oitavas da Libertadores na última rodada e você marca um gol contra desses? 

"Ah mas avisaram em cima da hora". E por que não impediram que o jogador entrasse em campo? 

Se o professor (Conmebol) mandou, meu amigo, fica quieto e obedece. E "eu sou a Chape" não pode ser mais um argumento.

Desde o início do ano a Chape perde não só para as situações e circunstâncias, mas para ela mesma. Pelo comando de Mancini, por optar por Arthur Moraes no gol tendo Elias no banco; por dizer que "não sabia" que um jogador estava suspenso por número de cartões amarelos.

Porra, não sabia? Quem não tem que saber sou eu, que vi o jogo e comemorei aquele gol salvador no finzinho que me deu a esperança de escrever uma crônica linda sobre mais uma flechada histórica. O que fazem os encarregados do clube para averiguar isso? Eles existem?

Tá na hora de voltar a ser Chapecoense, Chape. Esse negócio de "Chape" te deixou mal acostumada. Te passaram a mão na cabeça, fizeram do teu apelido o teu nome.

O teu nome é mais que Chape. É gigante não só pelo número de letras. C H A P E C O E N S E. Seu significado representa aqueles que vivem em sua terra. Que o honrem.

Não precisa honrar jogando bonito, dando resultado imediato. Ninguém vai te cobrar títulos após uma explosão que a leva à estaca zero. Só queremos que seja a quem aprendemos a amar e respeitar nos últimos anos; basta não tropeçar na própria perna. Se cair, que caia pelas suas limitações. Nesse caso, nós mesmos te levantaremos – coisa que sequer vem sendo necessária. Quatro pontos já foram ganhos contra dois gigantes paulistas nas duas primeiras rosadas do brasileiro – três deles contra o atual campeão.

Só não perca sua identidade: seu nome é Chapecoense.

Abraços,

Daniel Braune 

Este post tem um comentário

  1. Dead composed subject material, thanks for information. “The bravest thing you can do when you are not brave is to profess courage and act accordingly.” by Corra Harris.

Deixe uma resposta

Fechar Menu